RapidShare diz: Se fecharmos, YouTube e Dropbox serão os próximos

Com o fechamento do Megaupload, muitos estão preocupados com o destino de outros sites de compartilhamento de arquivos online. E muitos começam a imaginar quais serão os próximos alvos. Recentemente, o site Fast Company entrevistou o advogado Daniel Raimer, que representa um dos mais populares sites de compartilhamento do mundo, o RapidShare. E, no entendimento de Raimer, se o serviço que ele representa for fechado, outros grandes serviços como o iCloud, SkyDrive, YouTube e Dropbox também merecem o mesmo destino.

Raimer afirma que, apesar de entender que o Megaupload tomou atitudes que o RapidShare não faria (como um programa de recompensas para usuários com grandes volumes de dados), isso não quer dizer que eles podem ser condenados pelo seu formato de negócios, e acredita que o serviço não está na mira do ministério público dos Estados Unidos. O advogado argumenta que as tecnologias dos principais serviços de compartilhamento de conteúdo são semelhantes.

Porém, a principal diferença está no modelo de negócios de cada uma delas, e se essas empresas apoiam, direta ou indiretamente, aquilo que é entendido como pirataria. Se uma empresa tem a intenção de ganhar dinheiro atraindo usuários que compartilham conteúdos com direitos autorais, isso pode sim ser considerado crime. Raimer afirma que o RapidShare tem como prioridade manter clientes satisfeitos de longa data, estabelecendo um vínculo maior de confiança com o usuário.

O advogado afirmou que a empresa investe em uma boa equipe de suporte, e em novidades na interface do usuário, sendo muito rigorosos nos seus sistemas de combate à pirataria. Rainer entende que o RapidShare possui uma filosofia de negócios semelhante ao Dropbox, iCloud e SkyDrive, e disse que sua empresa está alguns passos à frente dos concorrentes, já que eles foram os primeiros a desenvolver um software de rastreamento pró-ativo de pesquisa de conteúdos ilegais na internet.

Outro ponto interessante destacado por Rainer na entrevista: para ele, muitos usuários estão com medo de utilizar serviços como o iCloud e o Dropbox, pelo receio das políticas comerciais desses serviços, e pela possibilidade de infrações, em caso de upload de conteúdos ilegais.

Questionado sobre as acusações da RIAA (órgão que cuida dos direitos autorais da indústria fonográfica) e do Congresso Internacional Anti-Pirataria da Caucus, que classificam o RapidShare como “um serviço predominantemente utilizado para o intercâmbio global de filmes ilegais”, Rainer respondeu que tais órgãos não conseguiram até hoje achar uma boa explicação para esse rótulo, e que no relatório de sites considerados “ilegais” de 2011, o RapidShare não está presente.

TechTudo 

Grávida, Grazi deixará novela. Falabella conta o final de Lucena

Grávida de cinco meses, Grazi Massafera deixará a novela “Aquele beijo” nas próximas semanas. A atriz, que interpreta Lucena no folhetim das 19h, teve a saída antecipada pelo autor, Miguel Falabella. Em entrevista exclusiva ao blog, ele contou como será o final da personagem:

– Grazi está gravidíssima e, por isso, resolvi tirá-la da novela um pouco antes do previsto. Apesar de tudo o que Lucena fez, ela vai passar por uma redenção no final.

Segundo Falabella, a personagem voltará para a Colômbia com o ex-marido, Juan (Manolo Cordona). O ator colombiano, aliás, gravará esta semana, no Rio, suas cenas finais na novela, que devem ir ao ar em duas semanas. As sequências marcarão também o desfecho de Lucena.

Grazi espera seu primeiro filho, fruto do casamento com o ator Cauã Reymond. Na ficção, sua personagem também engravidou. Depois de um casamento tumultuado com Juan, Lucena voltou ao Brasil e reatou com o ex-namorado, Vicente (Ricardo Pereira). Porém, o advogado decidiu acabar com o casamento ao descobrir que o colombiano é o verdadeiro pai da criança.

kogut