Kelly Key é condenada pela Justiça Federal

kellykey (1)

Kelly Key caiu na malha fina do “Leão”. Segundo o jornal Extra, a cantora foi condenada a pagar R$ 23.483,27 de dívida tributária do Imposto de Renda. O débito é relativo a prestações de contas dos anos de 2005 a 2007.

De acordo com a decisão da Justiça Federal, se Kelly não acertar as contas com a Receita terá os bens penhorados. A cantora tem o prazo de cinco dias para cumprir o pagamento, que pode ser parcelado. Se houver penhora de imóvel, o marido da cantora também deve ser intimado.

A assessoria de imprensa da cantora admitiu ao jornal Extra a dívida com o fisco. Segundo a nota enviada, ocorreu um erro do contador contratado por Kelly Key, que já foi dispensado. “O novo (atual) contador já entrou em contato com a Justiça e já estão resolvendo o devido pagamento”, informa ainda a nota.

O clima esquenta! Jorginho abraça Nina e os dois quase se beijam

No impulso, Jorginho abraça Nina e os dois ficam no maior clima (Foto: Avenida Brasil/ TV Globo)
No impulso, Jorginho abraça Nina e os dois ficam no maior clima (Foto: Avenida Brasil/ TV Globo)

Sem querer, Carminha (Adriana Esteves) acaba aproximando Nina (Débora Falabella) deJorginho (Cauã Reymond). Doida para agradar o filho, ela leva a chef de cozinha até o apartamento do jogador para deixar algumas comidas prontas. Jorginho diz que a presença da mãe não é bem-vinda. Magoada, a megera vai embora, mas manda Nina ficar e concluir o serviço

A sós, os dois conversam e Jorginho a convida para comer com ele. Sem graça, Nina tenta fugir de seu antigo amor e diz que precisa ir embora. Jorginho alega que está prestes a cair um temporal e tenta saber mais da vida dela, perguntando como ela foi parar na Argentina.

Com medo do rumo da conversa, Nina sai às pressas e fica encharcada no meio da rua. Jorginho vai atrás dela e a protege da chuva. “Vamos lá para casa esperar a chuva passar. Quer pegar uma pneumonia? Que foi? Parece que você está fugindo de mim”, ele quer saber, curioso.

Um carro passa em cima de uma poça e dá um banho neles. Jorginho abraça a cozinheira instintivamente, rola um clima e os dois quase se beijam. Ele comenta que o perfume dela é familiar, sem nem desconfiar que Nina na verdade é Rita (Mel Maia), sua namorada dos tempos de lixão.

Nervosa, Nina diz que não pode ir para a casa dele, pede para deixá-la em paz e sobe afoita no ônibus, deixando Jorginho pasmo. E agora, será que a paixão por ela vai reacender? Como Nina vai fazer para continuar o seu plano de vingança, estando apaixonada pelo filho de sua maior rival?

GLOBO

‘Avenida Brasil’: Bruna Marquezine fala sobre comparação com Mel Maia: ‘Achei ela muito parecida comigo’

Muita gente se lembrou de Bruna Marquezine quando viu Mel Maia arrebentar na pele da pequena Rita durante a semana de estreia de “Avenida Brasil”. E a própria Bruna está incluída nesse grupo. “Achei a Mel muito parecida comigo. Eu me vi nela. E não foi só fisicamente, não. Ela tem uma força no olhar, um jeito muito parecido comigo quando eu era criança”, disse Bruna, que foi alçada à estrela mirim interpretando a doce Salete em “Mulheres apaixonadas”, em 2003.

Além da semelhança física, o talento de Mel foi comparado ao de Bruna – na novela de Manoel Carlos, ela protagonizou cenas fortes como as da pequena estreante. “Mel é muito boa, tem futuro. Fiquei emocionada com as cenas dela e orgulhosa com a comparação”, contou Bruna que também foi filha de Tony Ramos na história de 2003.

Assim como Mel, Bruna tinha 7 anos quando estreou na TV. E ainda foi dirigida por Ricardo Waddington e preparada pela coach Paloma Riani, dupla que cuida da atuação de Mel. “O Ricardo é um diretor incrível. Vejo o dedo nele nas cenas da Mel. Ele cuidava muito de mim e tenho certeza que olha muito por ela também. E saber que é a Paloma quem está com ela é certeza de um trabalho maravilho. Até hoje, eu caço a Paloma no Projac quando tenho dúvida sobre alguma cena. Ela trabalha essa interpretação mais realista, a verdade no olhar. A bichinha só está rodeada de gente boa!”, comemorou a atriz.

Aos 16 anos, Bruna Marquezine é destaque de “Aquele beijo” e uma das grandes promessas da TV Globo. Já fez mais seis novelas e uma minissérie desde seu estouro nacional. Mas ver Mel em cena fez Bruna relembrar do início de sua carreira com emoção. “Lembrei muito da minha estreia. Chorei vendo a Mel assim como eu chorava vendo as minhas próprias cenas. Assim como ela, eu chorava fazendo e depois vendo. Foi muito gostoso reviver esse período agora com a Mel”, disse a moça.

Extra

Rita é maltratada por Nilo no lixão

Depois de ser abandonada no lixão pela madrasta, Rita (Mel Maia) começa a descobrir que a vida no local não vai ser nada fácil. Supervisionada por Nilo (José de Abreu), ela e as outras crianças catam lixo.

Cansada, Rita recebe o apoio de Jessica (Adrielle Carvalho): “Primeiro dia é difícil. Depois você acostuma”. A filha de Genésio(Tony Ramos) repara em um menino loiro acompanhado de outras crianças e pergunta por que eles podem brincar. Suely diz que são crianças de sorte, adotadas por Lucinda (Vera Holtz).

Após acabar de comer, Rita vê que o menino está ao seu lado. Batata (Bernardo Simões) a chama para brincar, mas ela o manda embora, irritada. Ele pega o saco onde a menina estava colocando lixo e sai correndo.

Lucinda chega e defende Batata (Foto: Avenida Brasil/ TV Globo)
Lucinda chega e defende Batata

Rita corre atrás dele e consegue alcançá-lo. Ela acaba entrando na brincadeira e os dois se divertem juntos, até que Nilo aparece.

Ele briga com Rita por não estar trabalhando, mas Batata a defende. Nilo segura Batata e o ameaça: “E você, pivete?! Faz tempo que não te dou uma boa coça,  com saudades…”.

Lucinda aparece e confronta o homem, que solta o menino. Ela leva Batata embora, que fica mal por deixar Rita para trás. Será o começo de uma grande amizade?

Globo

Com média de 38 pontos no Ibope, “Avenida Brasil” estreia como assunto mais comentado no Twitter

No primeiro capítulo, Genésio é atropelado acidentalmente por Tufão

Com direção de cinema, a nova novela das nove da Globo, “Avenida Brasil”, estreou nesta segunda (26) com média de 38 pontos no Ibope. O índice é prévio, e cada ponto equivale a 60 mil domicílios na Grande São Paulo. Embora bastante comentado no Twitter (ocupou oito de dez tópicos), o folhetim de João Emanuel Carneiro não conseguiu bater o primeiro capítulo de “Fina Estampa”, que chegou a média de 40 pontos.

A estreia foi marcada pelo apresentação da trama central, que envolve a vilã Carminha (Adriana Esteves), a menina Rita (Mel Maia) e seu pai Genésio (Tony Ramos). Após descobrir que a mulher o traía e queria roubá-lo, Genésio morre atropelado acidentalmente pelo jogador de futebol Tufão (Murilo Benício).

Tudo começa quando a garota Rita descobre os planos de sua madrasta para roubar seu pai e tenta avisá-lo. Genésio, então, prepara uma armadilha para sua mulher e a surpreende com seu amante. Antes de entregá-la à polícia, no entanto, o operário acaba morrendo.

“Avenida Brasil”: Uma jovem sedenta por justiça

"Avenida Brasil": Uma jovem sedenta por justiça

A história da próxima novela das 21h da TV Globo, “Avenida Brasil”, de João Emanuel Carneiro, gira em torno da personagem vivida por Mel Maia. Com 11 anos de idade, a menina Rita sofre um duro golpe, que deixará marcas para o resto de sua vida.

Órfã de mãe, ela foi criada por seu pai Genésio (Tony Ramos) e pela megera madrasta, Carminha (Adriana Esteves), que consegue, após a morte de Genésio, roubar a casa, a família e os sonhos da enteada. Porém, mesmo com a vida sofrida, Rita não fraqueja e mantém viva a sede por um acerto de contas.


Nina (Débora Falabella)
Foto: Divulgação/TV Globo

Em busca de justiça, a garota deixa seu triste passado para trás e se transforma em Nina (Débora Falabella), uma mulher firme e preparada para as surpresas da vida.

Ficha técnica

Uma novela de João Emanuel Carneiro
Direção de núcleo de Ricardo Waddington
Estreia: 26/03
Horário: 21h10
Antecessora: “Fina Estampa”, escrita por Aguinaldo Silva

Elenco

Débora Falabella – Nina
Murilo Benício – Tufão
Adriana Esteves – Carminha

Ailton Graça – Silas
Alexandre Borges – Cadinho
Ana Karolina – Ágata
Bianca Comparato – Betânia
Bruna Orphao – Paloma
Bruno Gissoni – Iran
Camila Morgado – Noêmia
Carol Abras – Begônia
Carolina Ferraz – Alexia
Cauã Reymond – Jorginho
Claudia Missura – Janaína
Daniel Kuzniecka – Hector
Daniel Rocha – Roniquito
Débora Nascimento – Tessália
Deborah Bloch – Verônica
Eduardo Simões – Batata
Eliane Giardini – Muricy
Emiliano D’ávila – Lúcio
Fabiula Nascimento – Olenka
Felipe Abib – Jimmy Bastos
Heloisa Perissé – Monalisa
Isis Valverde – Suéllen
Jean Pierre Noher – Martín
João Fernandes Nunes – Picolé
João Pedro – Rei
José de Abreu – Nilo
José Loreto – Darkson
Juliano Cazarré – Adauto
Letícia Isnard – Ivana
Luana Martau – Brigitte
Marcelo Novaes – Max
Marcos Caruso – Leleco
Mel Maia – Rita
Nathalia Dill – Débora
Otávio Augusto – Diógenes
Ronny Kriwat – Tomás
Thiago Martins – Leandro
Tony Ramos – Genésio
Vera Holtz – Lucinda
Vilma Melo – Conceição

O passado sombrio

A vida de Rita (Mel Maia) desmorona com a morte do pai. O destino coloca em seu caminho a segunda esposa de Genésio, Carminha (Adriana Esteves). Além da megera, outro que chega para atormentar a vida da garota é Max (Marcelo Novaes), amante da madrasta e o principal parceiro de Carminha nos golpes e armações.

A primeira parte de “Avenida Brasil” é ambientada na década de 90. Carminha planeja e consegue se casar com Genésio, um homem simples e bacana. Desde o início, a vilã planeja contra o marido e consegue criar uma armadilha para tirar grande quantidade de dinheiro de Genésio.


Genésio (Tony Ramos) descobre que foi enganada por sua segunda esposa, Carminha (Adriana Esteves)
Foto: Divulgação/TV Globo

No entanto, a pequena Rita torna-se uma pedra no sapato de sua madrasta ao descobrir qual é a verdadeira intenção de Carminha. Ela conta ao seu pai sobre o roubo do dinheiro da venda da casa onde moram. Revoltados, Genésio e Rita tentam deter a megera, porém Carminha consegue tirar o marido de seu caminho, após ele sofrer um acidente fatal. Assim, ela consegue evitar que seu verdadeiro caráter venha à tona.

Vilã de sorte

Além de se livrar do marido, Carminha conseguirá encontrar um homem rico. Surge em seu caminho o jogador Tufão, criado no bairro suburbano do Divino. Atleta do Flamengo, Tufão se destaca e ganha fama e dinheiro após decidir uma final de campeonato.


Tufão (Murilo Benício) concede entrevista após vencer título pelo Flamengo
Foto: Divulgação/TV Globo

Cada vez mais perto de conseguir realizar o sonho de ser rica, Carminha vê no atleta a possibilidade de alcançar o que sempre quis. E, para não atrapalhar no seu relacionamento, ela resolve descartar a enteada. Ela manda Rita para um grande depósito de lixo, onde a garota viverá sob o controle de Nilo (José de Abreu).

Dificuldades da vida

No lixão onde foi deixada, Rita (Mel Maia) passa os piores dias de sua vida. Num local sujo e hostil, ela divide a casa com várias outras crianças pobres e com Nilo (José de Abreu), que dita as regras do jogo.

Ali perto também vive a prendada Lucinda (Vera Holtz), apelidada de Mãe do Lixão. Com a capacidade de transformar lixo em lúdico, é ela quem nutre a esperança das crianças que por ali vivem. É na casa de Lucinda que vive Batata (Eduardo Simões), garoto de bom caráter. O rapaz ampara Rita ao vê-la enfrentar a difícil rotina na casa de Nilo e convence a Mãe do Lixão a abrigar a menina.


Nilo (José de Abreu)
Foto: Divulgação/TV Globo

Porém, o que era uma simples amizade acabou se transformando em um inocente primeiro amor, uma relação que o tempo terá dificuldades em apagar. Quando Rita começa a se sentir bem morando na casa de Lucinda, um acontecimento mudará para sempre a vida dela. Uma família resolve adotar Rita e levá-la para o exterior. Tempos depois, é a vez do pequeno Batata ganhar uma nova família e deixar o lixão. Os dois seguem por caminhos distintos, guardando na lembrança o intenso sentimento que tiveram na adolescência.

Vida nova sem esquecer o passado   

A vida dos dois pombinhos muda completamente. Rita torna-se Nina (Débora Fallabella). Já Batata passa a ser conhecido como Jorginho (Cauã Reymond). A garota é levada para a Argentina, onde é criada por uma família com boa condição financeira. Seu novo pai, Martín (Jean Pierre Noher), é um homem carinhoso que soube educar bem Nina e suas duas filhas biológicas. A jovem torna-se uma mulher bem sucedida profissionalmente. Ela é chef de cozinha e tem seu próprio restaurante. Além disso, ela engata um namoro com o argentino Hector (Daniel Kuzniecka).


Nina (Débora Falabella) na Argentina com seu namorado Hector (Daniel Kuzniecka)
Foto: Divulgação/TV Globo

Mesmo com a boa vida, Nina não se esquece de seu passado. Com a morte de seu pai adotivo, o sentimento de vingança aumenta. Ela não consegue perder de vista o rastro de Carminha (Adriana Esteves). Mesmo morando na Argentina, ela se mantém informada sobre a megera, sabe que ela se casou com o craque Tufão e que virou uma mulher rica e famosa.

Volta ao Brasil

Disposta a acertar contas com sua rival, Nina volta ao Brasil e abre mão de tudo o que conquistou na Argentina: o restaurante, o namorado e até mesmo a família adotiva. Tudo para evitar que Carminha continue a fazer novas vítimas.


Foto: Divulgação/TV Globo

Para penetrar na casa de Tufão e Carminha, ela conseguirá conquistar sua inimiga, se passando por uma empregada prestativa e competente. E é a partir dessa busca de justiça de Nina, que a história de “Avenida Brasil” é desenrolada pelo autor João Emanuel Carneiro.

Clube pequeno

O fictício Divino Futebol Clube, time de terceira divisão sediado no subúrbio carioca, é um dos principais cenários do folhetim. É lá que treinam os jogadores Jorginho (Cauã Reymond), Iran (Bruno Gissoni), Roniquito (Daniel Rocha) e Leandro (Thiago Martins). Todos com o mesmo sonho: serem contratados por um grande time.


Jorginho é filho adotivo de Tufão, porém não consegue jogar tão bem quanto o pai
Foto: Divulgação/TV Globo

Além de futebol, o clube movimenta o bairro do Divino com suas tradicionais festas, regadas com muita música, dança e charme. São nas noites do modesto clube que se destacam personagens como Darkson (José Loreto), Tessália (Débora Nascimento), Olenka (Fabiula Nascimento) e Suéllen (Isis Valverde).

Ídolo da nação rubro-negra

Ao contrário dos demais personagens do mundo futebolístico de “Avenida Brasil”, Tufão (Murilo Benício) é bem sucedido. O título que ele conquistou para o Flamengo o tornou ídolo e bem sucedido financeiramente. Apesar da badalação, o atleta sempre optou por morar com a família no bairro em que nasceu, rodeado por amigos. Para isso, ergueu uma mansão em pleno subúrbio.


Foto: Divulgação/TV Globo

Antes de Carminha (Adriana Esteves) invadir sua vida, ele era apaixonado pela cabeleireira Monalisa (Heloísa Perissé). Inclusive, os dois chegaram a ficar noivos. Mas o romance sempre foi reprovado pela mãe do craque, Muricy (Eliane Giardini), que acreditava, erroneamente, que Monalisa era uma oportunista.

A cabeleireira deixou a Paraíba para tentar a sorte no Rio de Janeiro. E foi no salão de beleza que ela conseguiu sua independência financeira. Com o apoio do então noivo, deixou de ser empregada e abriu o Salão da Monalisa, estabelecimento de bastante sucesso graças à criação de um creme que tem o poder de alisar o cabelo da clientela. Trabalham com Monalisa, Olenka (Fabiula Nascimento), Roniquito (Daniel Rocha) e Brigitte (Luana Martau).

Vida no subúrbio

Outro núcleo de destaque em “Avenida Brasil” é o do bairro do Divino. Um dos moradores mais populares é Silas (Ailton Graça), que passa diariamente pelas ruas da localidade com seu famoso carro de mensagens. Seu personagem promete arrancar gargalhadas do público com mensagens que vão desde pedidos de casamento até cobranças de dívidas.


Foto: Divulgação/TV Globo

Também se destaca a loja de moda feminina do bairro. Nela, trabalham Suéllen (Isis Valverde), que vive mais preocupada em se tornar uma “Maria-Chuteira”; Lúcio, conhecido por fazer corpo mole no trabalho; e Darkson, que usa sua voz para fazer propaganda da loja aos pedestres. Os três trabalham para Diógenes (Otávio Augusto), o dono do estabelecimento, conhecido por seu jeito controlador, fechado e autoritário.

Mulherengo da vez

O ator Alexandre Borges mais uma vez vive um mulherengo em novelas. Na trama de João Emanuel Carneiro, ele é Cadinho, um empresário rico e inteligente. Ele possui três mulheres e, consequentemente, três famílias.

Sua primeira esposa é Verônica (Débora Bloch), uma mulher rica e consumista que, ao mesmo tempo, tem um coração enorme e nunca escondeu seu romantismo. Ela é mãe de Débora (Nathália Dill), uma acrobata, que resolveu abrir mão de trabalhar com sua arte depois de se apaixonar por Jorginho (Cauã Reymond).


Foto: Divulgação/TV Globo

Já a segunda esposa do empresário é Noêmia (Camila Morgado). No início do romance, ela se dizia pouco consumista. Porém, com o tempo, passou a levar uma vida de ricaça, morando em uma mansão mantida por Cadinho na região serrana do Rio. Noêmia é mãe de Tomás (Ronny Kriwat), um jovem que ostenta a vida de mauricinho mulherengo.

Alexia (Carolina Ferraz) é a terceira da lista de Cadinho. Rica no passado, a socialite perdeu sua fortuna ao longo do tempo. Seu objetivo na união com o empresário foi a tentativa de realizar o sonho de encontrar um pai para o filho que pretendia ter. Foi nesse clima que nasceu Paloma (Bruna Orphão), conhecida por ter uma personalidade forte.

Autor

João Emanuel Carneiro é um dos principais nomes da nova geração de autores da TV Globo. Seu primeiro trabalho foi aos 14 anos, quando colaborou com Ziraldo no roteiro das histórias em quadrinhos do cartunista. Já com 22 anos, foi roteirista do curta-metragem “Zero a Zero”.

Desde então, resolveu apostar na carreira de roteirista, colaborando em filmes como “Central do Brasil”, “Orfeu”, “Deus é Brasileiro” e “Castelo Rá-Tim-Bum”. Na telinha, estreou em 2000, como colaborador nas minisséries “A Muralha” (2000) e “Os Maias” (2001) e na novela “Desejos de Mulher” (2002).

Em 2004, foi promovido a autor principal e escreveu a novela “Da Cor do Pecado”, grande sucesso na faixa das 19h. Com a excelente audiência conquistada pela novela, a Globo encomendou uma nova trama para o autor em 2006. Mais uma vez, Carneiro se destacou ao escrever “Cobras e Lagartos”, que voltou a elevar os índices na faixa das 19h.

Dois anos depois, o autor foi promovido para a faixa das 21h. Sua estreia no horário foi com a “A Favorita”. Em 2009, o novelista supervisionou as autoras Thelma Guedes e Duca Rachid no folhetim “Cama de Gato”.


Ricardo Waddington e João Emanuel Carneiro
Foto: Divulgação/TV Globo


Diretor

Ricardo Waddington teve sua primeira oportunidade na TV em 1983 como assistente de direção da novela “Champagne”. Dois anos depois, foi promovido a diretor na novela “De quina para Lua”. Seu primeiro folhetim como diretor geral foi Mandala (1987).

Desde então, acumula vários sucessos na tela da Globo como diretor principal, como “Olho no Olho” (1993), “Quatro por Quatro” (1994), “História de Amor” (1995), “Por Amor” (1998), “Laços de Família” (2000), “Mulheres Apaixonadas” (2003) e “Cabocla” (2004).

Ele também assinou a direção de vários seriados como “Delegacia de Mulheres” (1990), “Sex Appeal” (1993), “Presença de Anita” (2001) e, mais recentemente, “A Cura” (2010). “Avenida Brasil” será a segunda novela de João Emanuel Carneiro dirigida por Waddington. Eles também trabalharam juntos em “A Favorita” (2008).

Anote na agenda

“Avenida Brasil” estreia nesta segunda (26), a partir das 21h10, na Globo.

Na Telinha